); ga('send', 'pageview');

Última oportunidade para ver Lovers, no 36º Festival de Almada

Brian-Friel-Raquel-Oliveira-mag-Carlos-Malvarez-joe-lovers-vencedores

O espectáculo Lovers – Vencedores, de Brian Friel, o mais importante dramaturgo irlandês, é apresentado pela última vez hoje, no 36º Festival de Almada

No âmbito do 36º Festival de Almada, hoje (11), pelas 18h, o Auditório Fernando Lopes-Graça, situado no Fórum Romeu Correia, em Almada, recebe pela última vez o espectáculo Lovers – Vencedores, de Brian Friel, encenado por Jorge Silva (Teatro dos Aloés).

O espectáculo trata-se de um tema muito delicado para época em que é encenado – 1966. Nessa altura, na Irlanda, a Igreja Católica domina praticamente o controle de tudo o que permeia a vida da população da colina sobranceira, à cidadezinha de Ballymore. Em um cenário em que o período de imensas modificações políticas e sociais ronda em torno de um paradoxo – a obsessão e a negação do sexo e seus desdobramentos – o adultério, a gravidez antes do casamento, o aborto e o divórcio, dois jovens de apenas 17 anos, Mag e Joe, são impulsionados a se casarem porque serão pais em breve.

Estudantes do Liceu em colégios dirigidos sob regras rígidas e conservadoras da Igreja Católica, Mag frequentava o feminino de Saint Mary, gerenciado pelas Irmãs da Misericórdia, e Joe, o masculino de Saint Kevin, dirigido por padres da diocese. Ambos planeavam passar o dia a estudar para os exames finais mas distraem-se em conversas incentivadas por Mag, uma entusiasta com imensa vivacidade em postura. Embora apaixonados e cheios de sonhos e esperanças, um final inesperado com ar Shakespeariano coloca a perder todo o desejo partilhado naquela colina, no topo de Ardnageeha.

mag-joe-carlos-malvarez-raquel-oliveira-festival-almada

Mag e Joe, em Lovers – Vencedores, 36º Festival de Almada

Lovers – Vencedores, de Brian Friel e encenação de Jorge Silva – 36º Festival de Almada

Brian Friel (1929-2015), o mais importante dramaturgo irlandês da sua geração, dedicou a sua escrita aos temas de vertente social e política.Lovers foi nomeada para os Tony Awardsem 1967. Nos anos de 1980, iniciou um trabalho de adaptação da obra de Tchekov, com quem foi várias vezes comparado. Em 1991, Dancing at Lughnasa (Danças a um deus pagão) conquistou o Tony para melhor peça do ano. O texto conheceria uma adaptação para cinema com interpretação de Meryl Streep. Na Irlanda, há um teatro, um centro de estudos teatrais e um festival de teatro internacional que têm o seu nome.

Jorge Silva (n. Chamusca – Portugal, 1962), concluiu em 1987 o curso da Escola de Formação de Actores do Centro Cultural de Évora, tendo trabalhado com a Companhia de Teatro de Braga, Teatro da Malaposta, Artistas Unidos, entre outras. É co-fundador do Teatro dos Aloés, companhia com a qual levou já à cena, como actor ou encenador, textos de Shakespeare, Tchekov, Goldoni, Brecht, Lars Norén, M´Hamed Ben Guetaff, entre outros. Trabalha regularmente em cinema e televisão.

 

36º Festival de Almada

LOVERS – VENCEDORES

de Brian Friel | encenação de Jorge Silva

CENOGRAFIA: Rui Francisco

FIGURINOS: Maria Luiz

MÚSICA: Rui Rebelo

DESENHO DE LUZ: Tasso Adamopoulos

TRADUÇÃO: Graça Margarido Mick Greer

INTERPRETAÇÃO: Carlos MalvarezElsa ValentimJosé Peixoto e Raquel Oliveira

FOTOGRAFIA: Ricardo J. Vaz

DESIGN GRÁFICO: Beatriz Freitas

PRODUÇÃO EXECUTIVA: Daniela Sampaio e Vanessa Pereira

TEATRO DOS ALOÉS (Amadora, Portugal)

FÓRUM ROMEU CORREIA | AUDITÓRIO FERNANDO LOPES-GRAÇA | M/12

11 JUL | QUI  | 18H

PREÇO: 10€

INFORMAÇÕES: +351 212 739 360 ou em www.ctalmada.pt