); ga('send', 'pageview');

O maior festival de teatro de Portugal aquece os motores

O maior festival de teatro fica em Almada e está em sua 36º edição com uma agenda imperdível.

Foi em 1984 que deu-se início ao que viria a ser o principal e maior festival de teatro de Portugal. O Festival de Almada chega a sua 36º edição, a debater temas atuais e a homenagear um dos mais importantes atores do teatro português, Carlos Avilez.

Deu-se hoje (14), na Casa da Cerca, em Almada, a apresentação da programação do festival, que conta com mais de 38 espetáculos teatrais, e que terá início no dia 4 de julho, a seguir até o dia 18 do mesmo mês. O que vimos na apresentação, foi uma lista de atividades e espetáculos simplesmente imperdíveis. A conferência de imprensa foi uma demonstração do profissionalismo e cuidado que a equipa que produz o Festival de Almada tem por todos os pormenores que envolvem o evento. Não é a toa que tornou-se um do principais festivais de teatro da Europa e o maior festival de teatro de Portugal. Além das atrações de imensa qualidade, a equipa liderada por Rodrigo Francisco, que esteve ausente na conferência por conta de um acidente, faz um trabalho de logística, promoção e produção impecáveis.

A destacar entre as atrações, está a peça “Mary Said What She Said” (Mary disse o que disse – texto de Darryl Pinckney), encenada por Bob Wilson e Isabelle Huppert, com música de Ludovico Einaudi, que terá lugar no CCB/Grande Auditório, em Lisboa, nos dias 12 e 13 de julho. Outro ponto a destacar são os dois espetáculos de rua, “La Partida” (Vero Cendoya Dance Co. – Barcelona, ES) e “Fahrenheit” Ara Pacis (Xarxa Teatre – Valência, ES) que irão ocorrer na Praça São João Baptista, em Almada. Companhias de teatro da UE são a maioria na agenda do festival, mas tanto a América Latina, como a África, também fazem-se presentes na agenda do evento.

Isabelle-Huppert-festival-de-almada
Isabelle Huppert em “Mary Said What She Said”

Os acessos aos espetáculos variam entre gratuitos e pagos. Iniciativa interessante é a assinatura do Festival, uma espécie de “bilhete único” que custa 75 euros para o público em geral, e 60 euros para membros do Clube de Amigos do Teatro Municipal Joaquim Benite, que permite o ingresso a todos os eventos. Para os que desejam bilhetes para espetáculos específicos, os preços variam consoante a sala em Almada, Lisboa e Cascais.

Agora ficamos a esperar dia 4 de julho para o inicio dessa magnífica odisseia pelo universo das artes cênicas e demais expressões artísticas que compõem este festival imperdível.