); ga('send', 'pageview');

dOGUMENT

A relação entre os humanos e cães é milenar e criou laços afetivos e sociais intensos. Atualmente essa relação chegou a níveis tão acentuados que certos donos tratam seus animais como se fossem humanos. Em alguns casos, os cães respondem com uma interatividade e atitude muito similar ao das pessoas, mostrando inteligência e memória notáveis, além de um especial interesse por arte!

Jessica Dawson e seu cão Rocky – Imagem compartilhada do website dogumenta.org | Fotos Jason Falchook.

Segundo pesquisa recente publicada na revista “Animal Cognition”, os cães de estimação possuem uma particular receptividade à gestos e comunicações humanas. Esse poder de observação faz com que alguns cães copiem ações que as pessoas fazem. A influência do dono junto ao seu melhor amigo fez com que os cães desenvolvessem hábitos e atitudes que impressionam por sua “humanidade”. Foi o que a galerista e artista americana Jessica Dawson percebeu em seu cão Rocky. Um cão misto de Terrier Yorkshire e Maltês, que possui um especial interesse por arte. Durante um passeio por uma galeria Jessica Dawson, ao caminhar com Rocky, percebeu como o cão olhava com maior interesse para algumas obras, que a cor, volume, cheiro, textura entre outros elementos, chamavam mais ou menos a atenção de Rocky.

A partir da análise da interação de seu cão com a arte, Dawson decidiu desenvolver um projeto ousado chamado “dOGUMENT”. Criado oficialmente em 2016, o dOGUMENT é uma mostra de arte para cães. A exposição convida os artistas a criarem trabalhos que abordem a sensibilidade canina através de uma variedade de meios de comunicação e estímulo à percepção canina.

Rocky – Imagem compartilhada do website dogumenta.org | Fotos Jason Falchook.

dOGUMENT oferece uma oportunidade sem precedentes para a comunidade artística se envolver com uma nova espécie de amantes da arte e considerar seus novos pontos de vista. A equipe de curadores da dOGUMENTA busca considerar na escolha das obras, peças que possuem aspectos que proporcionem experiências interativas e que estimulem percepção canina. Aberto às mais diferentes variedade de mídias, o importante é que as obras possuam elementos formais, conceituais e experienciais, como cor, som, perfume ou texturas que chamem a atenção dos cães. Os convidados caninos da mostra terão total liberdade para escalar, morder, interagir, lamber, ou mesmo fazer xixi nas obras.

.

Jessica Dawson e seu cão Rocky – Imagem compartilhada do website dogumenta.org | Fotos Jason Falchook.

Dawson propôs o “dOGUMENTA” no início de 2016, e não demorou para receber apoio e notar grande demanda e interesse pelo projeto. “As pessoas realmente vieram até nós”, disse ela. O projeto vem tendo grande adesão e teve como participantes artistas em ascensão e alguns renomados. Eleanna Anagnos, Graham Caldwell, Kathryn Cornelius, Merav Ezer, Eric Hibit, Margarita Korol, Tibi Tibi Neuspiel, Noah Scalin, Dana Sherwood, Paul Vinet, estiveram com seus trabalhos presentes no dOGUMENTA levando a arte para os cães novaiorquinos. O que para muitos pode parecer uma brincadeira, ou algo surreal, para outros demonstra que a arte pode sempre surpreender e subverter o que entendemos como normal ou real. Independente de ser a favor ou contra ao projeto, é no mínimo uma experiência interessante do ponto de vista artístico, psicológico, antropológico e veterinário. A verdade é que o assunto vem se tornando pauta de debates e estudos, além de ter ganhado destaque em importantes veículos de mídia. Segue o link do site dOGMENTA (http://www.dogumenta.org/) para os interessados em participar como artista ou acompanhar as mostras ao lado de seu melhor amigo. A entrada da exposição é gratuita para os humanos e seus amigos peludos, mas recomenda-se reservar as visitas antecipadamente.

Marco Monteiro

Coluna – Marco Monteiro 
Marco Monteiro, brasileiro, Natal, RN, Brasil, 1975. Artista, designer, arqueólogo, escritor e pesquisador, autor do livro didático “Artes Visuais – 2º Período” (História da Arte – Editora Geração Digital – Brasil – 2013) co-editor do “Arte351 Magazine” e Doutorando em Teoria e História da Arte pela Universidade Nova de Lisboa. www.mmonteiro.com

Deixe uma resposta