); ga('send', 'pageview');

PRIMAVERA PORTUGUESA EM PARIS!

Paris recebe até finais de agosto, mais uma edição da iniciativa «Printemps Culturel Portugais» (‘Primavera Cultural Portuguesa’). O programa coloca em evidência vários artistas portugueses nos vários espaços emblemáticos da capital francesa.

Amadeo de Souza Cardoso, em Paris | DIREITOS RESERVADOS/ FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN | Reprodução: www.dn.pt

O «Printemps Culturel Portugais» (‘Primavera Cultural Portuguesa’) surge da colaboração entre os museus Grand Palais, Jeu de Paume, Cite de l’Architecture & du Patrimoine, a delegação francesa da Fundação Calouste Gulbenkian e o Theatre de la Ville.
Entre outras ofertas, estão exposições do pintor Amadeo de Souza-Cardoso, da fotógrafa Helena Almeida, de meio século da arquitetura portuguesa, do artista Julião Sarmento e ainda uma peça da companhia Teatro Praga.

Julião Sarmento e sua obra multifacetada também estará presente na mostra de primavera.

A iniciativa foi aberta a 20 de janeiro, na Gulbenkian de Paris, com a exposição ‘Juliao Sarmento. la chose, meme – the real thing’, que se prolonga até 17 de abril.
De 9 de fevereiro a 22 de maio, o museu Jeu de Paume apresenta a retrospetiva “Helena Almeida. Corpus”, mostrando pela primeira vez em França, as obras mais emblemáticas que aliam a pintura, fotografia, desenho e vídeo, daquela que é  considerada uma das maiores artistas contemporâneas portuguesas.
De 20 de abril a 18 de julho, o Grand Palais, associado às comemorações dos 50 anos da Fundação Calouste Gulbenkian, apresenta a retrospetiva de Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918), “o segredo mais bem guardado da cultura portuguesa, que viveu e trabalhou entre Paris e Manhufe, no norte de Portugal”, descreve um comunicado da organização.

Detalhe da obra: Pintura habitada (Peinture habitée – 1976) | Helena Almeida | Photographie noir et blanc, acrylique, 40 x 30 cm. Coll. Fernando d’Almeida

De 13 de abril a 29 de agosto, é a vez da Cite? de l’Architecture & du Patrimoine, em coproduçao com a Gulbenkian de Paris, acolher a exposição ‘Les universalistes. 50 ans d’architecture portugaise’ (‘Os universalistas. 50 anos da arquitetura portuguesa’), que apresenta 50 projetos arquiteturais sob a forma de maquetes produzidas especialmente para a exposição, documentos gráficos e audiovisuais.

De 31 de maio a 04 de junho, no âmbito da sétima edição do festival Chantiers d’Europe, o Théâtre de la Ville propõe o ‘Projet Pessoa’, do Teatro Praga, a companhia portuguesa que volta a ser mais uma vez convidada para fazer parte do evento (Chantiers/Estaleiros da Europa). Este já é o quarto ano consecutivo que a companhia portuguesa é convidada a participar.

“O Teatro Praga está de regresso com Fernando Pessoa na bagagem. Um monumento nacional abordado com muita liberdade e fantasia, com uma dramaturgia alegremente heteróclita que faz ressurgir a infância do poeta na África do Sul”, conclui o comunicado dos organizadores.

Coluna – Renato Rodyner
Renato Rodyner, brasileiro, Porto Alegre, RS, Brasil, 1962. Artista plástico, Jornalista, Curador e Crítico de Arte, proprietário da Rodyner Gallery e Editor Geral da “Arte351 Magazine”.

Deixe uma resposta